Monthly Archives: Abril 2009

Localidades onde chega o sinal TV digital terrestre.

A PT divulgou que a TDT será implementada de forma faseada, em oito etapas. Até o final de 2010, todo o país estará coberto. Na primeira fase, cujas emissões começaram ontem, 29 localidades já podem assistir à TDT. São elas:

  • Alcochete
  • Almada
  • Alpiarça
  • Amadora
  • Barreiro
  • Benavente
  • Chave
  • Coimbra
  • Entroncamento
  • Évora
  • Faro
  • Funchal
  • Gaia
  • Golegã
  • Lisboa
  • Mangualde
  • Matosinhos
  • Moita
  • Montijo
  • Oeiras
  • Olhão
  • Palmela
  • Ponta Delgada
  • Porto
  • Salvaterra de Magos
  • Seixal
  • Sintra
  • Torres Novas
  • Viana do Castelo

O faseamento seguirá o seguinte cronograma, conforme mostram os mapas:

fase11fase22fase3

fase4fase5fase6

fase7fase8

A estreia da TDT: começa hoje a era da pós-televisão

Estreia hoje a TDT portuguesa. Mas, mais do que isso, estreia a era da pós-televisão. O uso do espectro para a transmissão de dados digitais possibilitará que, além da televisão, tenhamos, em poucos anos, por via terrestre, serviços como Internet de alta velocidade, compartilhamento de dados, televisão móvel e outras infinidades de coisas que a tecnologia ainda não nos revelou, mas que nos reserva o futuro.

Pontuar a TV digital terrestre como uma inovação no serviço televisivo é menosprezar a potencialidade deste passo inicial para o futuro das comunicações. A TDT é apenas o início de uma reformulação no sistema de comunicações espectrais, cuja principal característica é o fim da mediação das comunicações por grupos políticos ou pelos grandes grupos mediáticos. As inovações vão colocar, pouco a pouco, os cidadãos no centro das decisões do mundo dos média. 

Começa hoje, portanto, a democratização do sistema de comunicações por via terrestre.

PT irá subsidiar descodificadores às pessoas de menor rendimento

A afirmação foi do presidente da PT, Zeinal Bava, em entrevista concedida ao Correio da Manhã e publicada ontem. Apesar da declaração, ele não explicou como será esse subsídio e nem quando ele será colocado em prática. Quanto aos preços dos descoficidadores, Bava acredita que os valores devem cair e, com o tempo, podem chegar a 50 euros.

Transcrevo aqui a entrevista completa. A reportagem é da jornalista Teresa Oliveira.

Na sua óptica, qual a importância da TDT (Televisão Digital Terrestre) no audiovisual português?

- Para nós a TDT representa a televisão digital para todos. Vamos conseguir que o nosso País contemple a migração do sinal analógico para o digital dentro daquilo que é o cronograma que a União Europeia obriga. E talvez até antecipar. A Portugal Telecom tinha dito que a 29 de Abril ia fazer um piloto. Vamos cumprir. Falámos de oito a dez localizações, estamos a trabalhar para surpreendermos com mais de dez.

- Quais as localidades previstas para as emissões experimentais?

- Tentámos abranger vários concelhos para poder dar essa experiência ao maior número de pessoas, não só nos centros urbanos, mas também no Litoral e no Interior do País, bem como nos Açores e na Madeira.

- O que oferece a TDT aos consumidores?

- Vai garantir que tenhamos uma televisão com melhor imagem e som e eliminar, definitivamente, os problemas de recepção de televisão que existem, efectivamente, no País, em algumas zonas. E, finalmente, vai permitir dar aos portugueses uma experiência digital. As pessoas vão poder ter o seu TV guia na televisão e, dependendo da caixa que adquirirem, poder gravar os programas que quiserem e, inclusive, parar a emissão… Ou seja, parte da experiência que hoje damos no Meo vai passar a estar disponível e vai ser grátis. Isto é um salto qualitativo na oferta de televisão no nosso País. A televisão é um conteúdo que os portugueses gostam e espero que com a TDT possam ter uma experiência melhor. E há um aspecto muito importante para apoiar os consumidores, que passa pela identificação dos equipamentos que vão ser compatíveis com TDT. Os consumidores têm que ter presente que nem todas as caixas TDT vão funcionar em Portugal e nem todos os televisores estão preparados para ter TDT. Por isso têm de procurar por esta identificação, que valide o seu funcionamento em Portugal.

- Mesmo os novos televisores?

- Mesmo os novos. Em Portugal o descodificador tem de ser MPEG4 (tecnicamente tem a ver com o tipo de compressão). Mas, para evitar que as pessoas tenham de se preocupar com questões de tecnologia, o que estamos a tentar criar, como parte do Fórum-TDT, é uma identificação dos equipamentos que funcionam em Portugal. Portanto, o consumidor vai poder identificá-los e, deste modo, estar confortável quando comprar o televisor e a caixa, sabendo que vai funcionar.

- Qual o valor que a PT tem previsto para as caixas descodificadoras?

- Os preços das caixas que existem no mercado ainda vão evoluir. As mais sofisticadas (que têm disco rígido e que permitem gravar) podem custar 150 euros e as mais simples podem ficar na ordem dos 50 euros. Espero que, quando a TDT efectivamente acontecer, possamos tê-las a esse valor. É nisso que estamos a trabalhar. Acredito que uma aposta da indústria portuguesa pode contribuir para que fiquem mais baratas também. E, já o disse e reforço, para certos segmentos de mercado vamos subsidiar a caixa. Isso vai permitir que as pessoas de menor rendimento não tenham de se preocupar, pois a PT vai disponibilizar as caixas a um preço muito mais acessível do que o de mercado.

- Com este passo tecnológico, a PT pretende ir ainda mais longe e produzir conteúdos?

- A PT não vai produzir conteúdos. A PT compra ou agrega conteúdos. O Meo Kids é um excelente exemplo de agregação de conteúdos para crianças. É um espaço que criámos no Meo para que as nossas crianças encontrem no Meo tudo o que querem, não só em termos de canais de televisão, como também jogos, vídeos. E que isso possa tornar a experiência de TV mais aliciante e desafiadora para elas. Vamos também incluir vídeos lúdicos e didácticos, desde tocar piano até aprender esgrima ou a jogar futebol com um dos nossos embaixadores (Vítor Baía, Rui Costa e Ricardo Sá Pinto).

- Essas ferramentas ainda estão a ser criadas?

- O Meo Kids já existe, vai evoluindo e pretende ser, sobretudo, uma plataforma onde as crianças podem aterrar e sentir-se completamente tranquilas e identificadas e onde os pais não têm a preocupação que eles consultem conteúdos que não devem. Tivemos também esse cuidado na concepção e desenvolvimento deste espaço.

- Por que razão a PT quis ser pioneira no IPTV?

- O nosso País estava atrasado em relação ao resto da Europa e a PT quis antecipar a experiência TDT colocando Portugal em primeiro lugar. Mas por que é que o ‘switch-off’ [apagão analógico] é importante? Hoje em dia, para os quatro canais analógicos, ocupa-se uma faixa de espectro grande. Quando passa para o digital, em vez de ocupar um metro, ocupa meio metro. Portanto, esse chamado espectro remanescente, ou dividendo digital, vai ser muito importante para o desenvolvimento de outros serviços como o Mobile TV ou o DVBH. Vamos sair todos a ganhar, porque mais espectro significa mais serviços, mais serviços significa melhor qualidade e diversidade para os consumidores.

- É um dos mais jovens presidentes de uma grande empresa. Como se sente por estar à frente de tão importante evento televisivo no nosso País?

- A PT tem hoje 32 mil trabalhadores no Mundo, 15 mil em Portugal e sinto que temos um nível de mobilização enorme em torno do nosso projecto. Voltámos a acreditar que era possível crescer em Portugal e também no Brasil e em África. Em 2008 decidimos que o desígnio da empresa era crescer, mesmo num contexto económico desafiante. Com o lançamento do Meo, inventámos o futuro, o nosso futuro. E por isso, no quarto trimestre do ano passado, crescemos. E não há nada mais estimulante para nós do que ter o reconhecimento dos consumidores. E por isso, sempre que posso, agradeço a confiança que os consumidores têm nos nossos serviços e é essa confiança que nos motiva a fazer mais e melhor. Já temos 70 milhões de clientes no Mundo e queremos atingir os 100 milhões.

- Estamos a falar de um grande investimento?

- Naturalmente. No ano passado, em Portugal, entre o fixo e o móvel, investimos 650 milhões de euros. E dissemos que este ano não vamos investir menos. Vamos continuar a contratar quadros jovens para reforçar o nosso posicionamento como a melhor escola de gestão e de engenharia em Portugal.

PERFIL: ZEINAL BAVA

Presidente executivo da Portugal Telecom, Zeinal Bava, 42 anos, é licenciado em Engenharia Eléctrica e Electrónica pela University College London (Reino Unido) e conta no seu currículo com três eleições para melhor director financeiro da Europa, da ‘Institutional Investor’. Foi director executivo do banco de investimento Merrill Lynch, Deutsche Morgan Grenfell e da Warburg Dillon Read. Na PT, Zeinal Bava esteve envolvido nos mais variados projectos e áreas de negócio: internacionalização, TV Cabo, PT.Com, PT Comunicações, PT Multimédia e TMN. Nasceu em Moçambique, é casado e tem três filhos.

‘PIONEIROS NO IPTV PORTUGUÊS’

O presidente executivo da PT, Zeinal Bava, refere que a empresa foi pioneira no IPTV em Portugal. ‘E não só. Somos o operador de maior sucesso de IPTV na Europa. Já referi o nível de penetração que conseguimos nos últimos 11 meses, que é dos maiores recordes europeus, para não dizer mundiais’. Bava admite que o quinto canal ‘era mais um dos atractivos para as pessoas comprarem as caixas compatíveis com TDT’, mas as vantagens não se esgotam ali. Para o presidente executivo da PT, uma das grandes vantagens da televisão digital é o facto de acabar com as dificuldades de sinal. ‘E se a pessoa for cliente de banda larga da empresa poderá haver alguma interactividade’, explica.

Telecinco processa a ERC

A acção foi impetrada ontem, juntamente com um pedido de providência cautelar para suspender a decisão da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC), que chumbou a proposta da Telecinco no concurso para o 5º canal.

Segundo publicou o Expresso:

“O tribunal tem agora 15 dias – até 18 de Maio – para decidir se aceita a providência cautelar interposta, o que a acontecer deixa todo o processo em suspenso, impedindo a abertura de novo concurso ou atribuição do 5º canal a qualquer outra entidade, durante o tempo em que correr a acção principal.”

Leia aqui a reportagem.

Dividendo digital: a visão dos fabricantes de equipamentos

Seguem as anotações que fiz durante a apresentação dos representantes das empresas fabricantes de equipamentos electrónicos, durante o Workshop Dividendo Digital, realizado pela Anacom:

Cengiz Evci, da Alcatel Lucent, destacou as oportunidades provenientes do dividendo digital. Segundo ele, a partir de 2012, com o apagão analógico e a liberação de uma importante faixa do espectro, os operadores móveis poderão oferecer serviços de banda larga contínua a baixo custo, com uma cobertura rural alargada e melhor qualidade nas áreas urbanas.

Hans Höglund, da Ericsson, ressaltou a importância do uso do espectro para suprimir o fosso digital. Segundo afirmou, isso deve ser uma prioridade dos governos. O executivo ainda apresentou alguns números, que são esperados pelo mercado:

  • Estima-se que, em 2015, 2,8 bilhões de pessoas estarão a utilizar os serviços de mobile broadband.
  • Para 2013 prevê-se que os serviços de Internet móvel estarão a funcionar com uma velocidade de 1 giga.

Michael Krumpe, da Nokia, recomendou uma regulamentação europeia para o dividendo digital, dando sinais que pode haver um acordo pan-Europeu para a utilização do espectro remanescente. Destacou ainda as excelentes características de propagação nas frequências do dividendo digital, que permitirão o acesso móvel até mesmo às áreas mais dispersas.

Luís Martins, da Cisco, analisou os serviços que existem hoje por meio da Internet móvel e listou uma série de inovações que irão ocorrer. Portanto, segundo ele, as redes sociais passarão ao visual network, os serviços de video streaming passaram a ser em alta definição, os video chattings passarão ao consumer telepresence, o compartilhamento de arquivos passará a ser em banda larga e a IPTV será de altíssima qualidade.

Portanto, ao que pude observar, a grande aposta dos fabricantes é na Internet móvel. A televisão seria apenas um serviço a mais, dentro do potencial de serviços que serão oferecidos por meio da transmissão de dados pelo espectro.

TDT irá estrear com cobertura de 30% da população

A informação é de António Gil Moreira, da PT, e foi dada durante o Workshop Dividendo Digital, realizado pela Anacom, no último dia 16, em Lisboa. Estive presente e vou publicar, ao longo desta semana, outras notícias referentes ao evento.

Hoje, deixo aqui as observações feitas pela PT:

  • Cobertura de 30% da população na estreia da TDT
  • Dificuldades podem ser geradas se não houver o 5º canal, pois, ao contrário dos demais países europeus, Portugal irá inaugurar a TDT sem apresentar algum canal extra, que possa atrair o telespectador.
  • A necessidade de adaptação das antenas poderá gerar problemas e, provavelmente, muitos não conseguirão sintonizar os canais digitais.
  • A PT sente uma grande pressão devido à necessidade de implementar, num tempo curto, a TDT em Portugal. No entanto, se orgulha de ser um dos grupos que irá mais rapidamente implementar o sistema num país europeu.
  • A PT pretente fazer demonstrações nas principais lojas do país, para orientar os consumidores sobre o que é a TV digital terrestre e sobre como ele poderá ter acesso aos canais digitais.
  • Está prevista a cobertura integral da papulação até 2010, o que permite a antecipação do switch-off analógico.
  • O PT também anunciou, durante o Workshop, o lançamento de um símbolo, que será colocado nos produtos, para que os consumidores saibam se o equipamento é compatível com a TDT portuguesa. O símbolo é o seguinte:

tdt

Artigos apresentados no 6º Sopcom e no 8º Lusocom

Na última semana estive em Lisboa, onde participei do congresso da Sopcom e também do Lusocom. Apresentei dois artigos sobre a TDT. Um deles mostra como está o desenvolvimento da TV digital terrestre nos 27 estados-membros da União Europeia e o outro fala sobre as consultas públicas dos concursos para a TDT portuguesa. 

Os estudos foram os seguintes:

6º Sopcom:

Portugal e o mapa da TV digital terrestre na Europa – Baixe aqui.

Resumo: O ano de 2012 é o prazo final, estabelecido pela União Europeia, para que os países-membros desliguem definitivamente os sinais analógicos da televisão terrestre. Para que a determinação seja cumprida, é necessária uma preparação que garanta a recepção da TV digital terrestre (TDT) a todos os cidadãos. Este estudo faz um mapeamento e analisa as políticas de implementação da TV digital terrestre na Europa. Também observa, destacadamente, o cenário de Portugal e as consequências para o país, por ser este um dos últimos a implementar a TDT.

8º Lusocom

Consultas públicas nos concursos da TV digital terrestre: democratização ou protocolo? - Baixe aqui.

Resumo: Os concursos relativos à TV digital terrestre portuguesa, lançados em Fevereiro de 2008, seguiram um procedimento protocolar que incluiu um período de 45 dias de consulta pública, durante o qual qualquer interessado pôde dar sugestões e opiniões sobre os projectos de regulamento. Após o fim da consulta, a regulamentação definitiva foi lançada. Neste artigo, analisamos o teor dos contributos e observamos as alterações que foram feitas em relação ao projecto inicial, para identificar os critérios adoptados na elaboração das regras dos concursos, cujo vencedor foi o grupo PT.