Cofina, Controlinveste e o novo canal generalista

Seguem algumas informações sobre a Cofina e a Controlinveste, os dois grupos que surgem como principais concorrentes ao novo canal generalista que o Governo anunciou:

COFINA

        É uma holding que desenvolve suas actividades na área dos media e conteúdos. Tem como empresa chave a Cofina Media (antes denominada Investec). Detém títulos importantes como os diários “Correio da Manhã”, o desportivo “Record” e o jornal gratuito “Destak”, além de diversas revistas.

       A entrada da Cofina no mundo dos media foi uma surpresa para o mercado, incentivada pelo anúncio do empresário Joe Berardo, em 1999, de que iria vender a Investec. O grupo, cuja vocação inicial era a indústria, decidiu entrar na área das comunicações ao observar que tinha a possibilidade de assumir o controlo da SIC. Fez então uma parceria com o Banco Português de Investimento (BPI) e lançou uma OPA sobre a totalidade do capital da Investec, após ter comprado 39,957% das acções da holding (Silva, 2004).             

       A Lusomundo também estava interessada na SIC e havia sido a primeira a anunciar a compra de grande parte das acções da Investec, sendo seguida, poucos dias depois, pela COFINA/BPI, mas Pinto Balsemão conseguiu negociar com outros accionistas e a Impresa comprou a maioria das acções da SIC, mantendo e consolidando o controlo sobre a emissora.            

       Portanto, ao tentar entrar na área da televisão a Cofina acabou no mercado da Imprensa com os títulos que eram da Investec, como o jornal Record e a revista Máxima. Ainda em 1999 assumiu o controlo da empresa que publicava o Jornal de Negócios. Em 2000, a parceria com o BPI foi desfeita, mas a Cofina manteve os seus investimentos nos media e, no mesmo ano, adquiriu o Correio da Manhã. O seu último grande investimento foi o lançamento do jornal Destak, em 2006.           

       A Cofina não desistiria de entrar no ramo televisivo. Demonstrou-se interessada em comprar a RTP2, quando o PSD havia estabelecido essa meta em seu programa eleitoral e saiu vitorioso nas urnas, em 2002. Mas a promessa não se cumpriu e o canal não foi privatizado.

       Agora, com a TDT em marcha, a Cofina volta ao cenário e anuncia o interesse em obter uma concessão para um canal generalista. O grupo já tem pronto, desde o início de 2007, um projecto para esse canal. 

CONTROLINVESTE

       Está presente no rádio, imprensa e televisão e possui participação em empresas com actividade na área da publicidade, comunicação multimédia, produção de conteúdos e design.       

       Em 2005, o grupo adquiriu da Portugal Telecom a Lusomundo Serviços (agora chamada Controlinveste Media) e somou à sua holding 50% do canal SporTV – que detém juntamente com a PT Multimédia, a rádio TSF e a Global Notícias, que publica jornais importantes como o Jornal de Notícias, Diário de Notícias, 24 Horas e o gratuito Global Notícias.      

       O nome à frente da Controlinveste é Joaquim Oliveira, um antigo militar que iniciou a vida empresarial em Angola. Após o 25 de Abril voltou para Portugal e, em 1984, fundou a Olivedesportos, uma empresa inicialmente dedicada à explorar a publicidade nos estádios de futebol, que depois entrou também no mercado televisivo, negociando os direitos de transmissão de jogos. Com a entrada da TV privada, o grupo teve um embate com a SIC, que ambicionava ter o direito de transmitir os jogos e conquistar mais audiências. A disputa envolveu dirigentes de clubes e a imprensa desportiva posicionou-se contra a Olivedesportos.       

       Foi nesta altura, em 1994, que Joaquim Oliveira decidiu comprar o jornal desportivo “O Jogo”, que era da Lusomundo e estava para encerrar. Em dez anos, o jornal aumentaria em sete vezes suas vendas, com investimentos aproximados de 15 milhões de euros. A Olivedesportos investiria também em acções dos clubes, com participações expressivas no Benfica, Porto, Sporting, Boavista, Beleneses, Braga e Alverca (Expresso, 25 de Março de 2005).       

       O empresário tem um grande domínio do mercado desportivo e o futebol é um dos principais factores de audiências na TV portuguesa. A SporTV é um grande sucesso no país e ocupa a liderança dos canais por subscrição. Na TV Cabo, é o quinto canal com maior audiência e atinge, por vezes, a liderança no cabo quando transmite jogos decisivos. Os direitos de transmissão do principal campeonato do futebol português e da Liga dos Campeões da UEFA, são também do SporTV. Em 2006, foi o canal oficial do Campeonato do Mundo da FIFA.

Denicoli, Sergio; Sousa, Helena. Os Bastidores da TV digital. 5º SOPCOM. Braga, 2007.

4 responses to “Cofina, Controlinveste e o novo canal generalista

  1. a PT não vai avançar com um projecto?

  2. É possível que a PT e a Sonaecom também lancem projectos. No entanto, até o momento, a manifestação explícita é da Controlinveste e da Cofina. Mas os futuros passos também serão acompanhados pelo blog e, caso outras empresas tenham interesse no novo canal generalista, iremos discutir aqui.

    Cordial abraço.

  3. TV Cabo já não existe, chama-se ZON.

    SportTV é detida pela Zon e Controlinveste (50% cada), e não PT.

  4. Caro Pedro,

    O post a que se refere é de 2008.

    Cumprimentos.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s