A ineficaz campanha sobre a TDT portuguesa

É insuficiente, fraca e pouco informativa a campanha sobre a TDT, que estreou ontem em Portugal. A publicidade não explica ao certo o que vai mudar, deixa um número de telefone (800200838) e o endereço de um site (www.tdt.telecom.pt) que aparecem por 5 segundos no ecrã, orientando o telespectador a “contactar um instalador habilitado”.

Liguei para o número disponibilizado. O atendimento automático oferece algumas opções:

  • Um resumo sobre o que é a TDT.
  • Uma mensagem direccionada aos que têm TV paga, informando que para eles nada vai mudar com a TDT.
  • Uma mensagem direccionada aos que recebem o sinal terrestre, informando que poderão receber o sinal digital se tiverem um descodificador ou uma televisão apropriada.
  • Um gravação que indica instaladores habilitados na região onde o telespectador encontra-se. Obtive um número de Braga e outro de Lisboa. Liguei para os dois telefones, mas ninguém atendeu. Talvez porque era hora do almoço. Vou tentar mais tarde e voltarei aqui para actualizar o post, caso consiga informações sobre custos, etc.
  • A última opção era para falar com um operador.

Optei, então , por conversar com um operador. Não esperei muito na linha e logo atendeu uma senhora simpática mas completamente desinformada (a cada pergunta pedia um tempo para obter a informação). Fiquei a falar com ela por cerca de 20 minutos.

Perguntei sobre os subsídios e ela disse-me que o telespectador que recebe até 500 euros tem direito ao reembolso de 50% do valor do descodificador. No entanto, disse-me que o valor máximo a ser reembolsado é de 22 euros.

Perguntei também sobre a cobertura por satélite em regiões onde o sinal não chega, conforme prevê o contrato de concessão assinado pela PT. Ela não me soube informar nada a respeito disto, mesmo após me deixar à espera enquanto contactava algum superior. Não me informou sequer se seriam necessários aparelhos específicos, nem se há subsídios também para casos assim. Disse-me apenas que eu deveria ir até uma loja de aparelhos electrónicos e lá alguém talvez me poderia informar sobre o assunto.

Enfim, a campanha não explica nada e os serviços de atendimento disponibilizados são ineficazes.

Veja a publicidade que está a ser veiculada nas TVs:

6 responses to “A ineficaz campanha sobre a TDT portuguesa

  1. Concordo totalmente. Além disso, não explica os eventuais benefícios da TDT, pelo que apenas servirá para criar atitudes negativas em relação ao processo de migração…

  2. O que estão a fazer com a população portuguesa é algo absurdo. Os poderes públicos estão a prejudicar os cidadãos sem qualquer disfarce.

  3. Sérgio, não costumo transcrever notícias de outros sites, mas acho este artigo bastante bom. Está disponível no site da Produção Profissional:
    (se o caro Sérgio achar melhor, basta deixar o link)

    http://www.pp.com.pt/article.php?a=1492

    TDT não obriga a contratos com operadores de televisão pagos

    Arranca a 10 de Março de 2011 a primeira campanha de informação do Estado Português sobre a transição para a Televisão Digital Terrestre (TDT). Nas novas emissões, os quatro canais generalistas portugueses vão continuar a ser canais de acesso livre. Não é necessário subscrever um serviço de televisão por cabo, fibra óptica, IPTV ou satélite para continuar a ver esses canais. Para fornecer a melhor informação aos instaladores e utilizadores a Autoridade Nacional de Comunicações, enquanto entidade que coordena o processo de transição das emissões analógicas para a televisão digital terrestre, e a DECO – Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor, assinaram um protocolo nos termos do qual a associação se compromete a realizar testes comparativos em contínuo de caixas descodificadoras para a TDT, que venham a surgir no mercado. Em conformidade com o estabelecido no plano para o switch-off das emissões analógicas e transição para a TDT, Alenquer, Cacém e Nazaré são as cidades piloto para a realização de cessação destas emissões, sendo as respectivas datas de encerramento, 12 de Maio, 16 de Junho e 13 de Outubro de 2011. Até lá, as instituições do poder local, bem como outras entidades locais relevantes, serão envolvidas no processo de preparação da operação e a população visada será objecto de campanhas de informação específicas para o efeito.

    No entanto, conforme a associação DECO já veio alertar, o fim da televisão analógica está a ser usado como estratégia para aumentar clientes dos pacotes de Televisão pagos, situações que têm vindo a ser denunciadas junto desta associação de protecção do consumidor. Sobretudo do interior do País, várias pessoas têm denunciado contactos de empresas que propõem a adesão a um serviço de televisão pago, sob a ameaça de estas virem a perder o acesso à televisão.
    Por isso, a ANACOM e a DECO vieram a público confirmar que a mudança para a televisão digital terrestre (TDT) não obriga a assinar um contrato. Os televisores que não têm o sintonizador DVB-T MPEG4, podem ser utilizados em conjunto com um descodificador, que em média pode custar cerca de 50 euros. Estes decodificadores são apenas necessários para quem ainda não possua um televisor recente, com sintonizador digital integrado. A grande maioria dos televisores vendidos no mercado nacional desde 2009 já permitem aceder directamente à televisão digital terrestre, bastando para tal reorientar as antenas existentes ou adquirir novas antenas que podem inclusivamente ser bastante mais pequenas e discretas do que as que vinham sendo usadas até aqui.

    Os resultados dos testes comparativos dos descodificadores, comercializados em Portugal, realizados pela DECO em Janeiro já se encontram disponíveis, quer no site da referida associação, quer no site do regulador ANACOM.
    Para os televisores adquiridos depois de 2009, é possível que já estejam preparados para a TDT. Não é preciso investir em mais equipamento ou serviços. Basta confirmar se os televisores têm o sintonizador necessário ou procurar a referência ao sistema DVB-T e à norma MPEG-4 no manual de instruções.
    As pessoas que recebam uma proposta para aderir a um serviço de televisão por subscrição sob o pretexto de perderem o acesso aos canais devem denunciar esses casos de imediato às autoridades policiais assim como ao regulador ANACOM e à DECO.

    (Des)informação
    É preciso também ter em atenção que a campanha de informação relativa à TDT que irá começar entretanto a ser divulgada nos principais meios de comunicação social anuncia “melhor qualidade de imagem e som”, assim como “acesso a alta definição”. No entanto, pelo menos para já, os sinais presentes na rede TDT nacional são exactamente apenas os mesmos quatro canais nacionais existentes – RTP 1 e 2, SIC e TVI – em formato 4:3 de definição normal. Por isso, quem tiver comprado entretanto um televisor que já é de formato 16:9 terá que seleccionar a imagem de forma a que esta não fique “esmagada” quando preenche toda a largura do ecrã. O formato correcto para se visualizar estas emissões nas devidas condições será a imagem convencional ao centro, com barras laterais a negro.

    Convém também alertar as populações residentes na zona da fronteira e que entretanto já começaram a sintonizar as emissões TDT vindas de Espanha – onde, ao contrário de Portugal, existem entre 12 a mais de 20 canais disponíveis – que os equipamentos que podem ter sido adquiridos para esse efeito em Espanha poderão não ser compatíveis com as emissões TDT em Portugal. Os sintonizadores separados ou integrados em televisores recentes que foram vendidos em Espanha são MPEG-2, enquanto em Portugal são MPEG-4. Apenas alguns modelos de televisores mais caros apresentam receptores integrados para as duas tecnologias.
    Dessa forma, os consumidores que desejarem continuar a ver as emissões de Portugal e também de Espanha terão que solicitar a intervenção de técnicos habilitados para reorientar as antenas e instalar um sistema que possa combinar as diferentes emissões.
    Um último alerta diz respeito a regiões remotas do país onde a Portugal Telecom anunciou já que não irá garantir a cobertura TDT, oferecendo nesse caso o acesso ao serviço via satélite da MEO, em regime gratuito.

    As autoridades locais, como as juntas de freguesia e mesmo as associações locais devem estar atentas a estas situações, exigindo da parte da PT o cumprimento integral destas condições sem que seja exigida a assinatura de qualquer serviço. No caso em que esse tipo de “promoção” venha a acontecer, as autoridades locais deverão intervir no sentido de solicitar a empresas concorrentes como a ZON – que também oferece um serviço via-satélite em todo o território nacional – a apresentação de propostas para soluções alternativas.

    Sempre que possível, a cobertura de regiões remotas deverá ser garantida simplesmente através de retransmissores comunitários de baixa potência e não através de antenas de recepção de satélite individuais esteticamente bastante mais desagradáveis.
    É crucial o papel das autoridades locais na prevenção de abusos por parte da Portugal Telecom e sobretudo de empresas sub-contratadas por esta, sendo que todas as dúvidas e ocorrências devem ser imediatamente comunicadas à Autoridade Nacional das Comunicações (ICP/ANACOM).

    http://www.anacom.pt Cândida Luzia

  4. A tristeza do TDT português é desde já estar entregue a uma empresa com interesses próprios contrários à saudável evolução da TDT em Portugal. A forma como a PT começou a divulgar é claro da estrátégia que pretende promover. Mostrar no media a passagem para o TDT como traumática salientando aspectos como que é algo caro (descodificadores caros), chato (que é necessário um para cada tv) e burocrático e que mais compensa é passar para algo pago como a sua MEO. “Não tem TV paga????” diz o anúncio. Ora começa-se logo tentar entranhar nas pessoas o sentimentos que são desde já seres inferiores. Como isto pode ajudar o TDT? Ora pois.

    Durante este ano vai-se só ver os agentes da MEO e Zon (que nem são bem da MEO/ZON, apenas comissionistas) a tentar enganar o pessoal “a tv vai acabar, é melhor mudar para um dos nossos serviços senão fica sem TV”. Muitos velhotes hão-de ser enganados estes meses.

    Pelo que li noutro blog também já anúncios adsense “O TDT está a chegar – Adira ao MEO! Não espere pelo TDT – Adira ao MEO!” já aparecem. Se isto é verdade só mostra o jogo sujo da PT.

    E ainda vai ser mais triste ver provavelmente os reguladores ficarem calados sobre esta estratégias.

  5. Já agora o post com o texto transcrito acima é muito bom.

  6. Ao meu ver é algo explícito o favorecimento às empresas de TV por subscrição. O problema é que os órgãos públicos que deveriam lutar pelo interesse da população não o fazem. É mesmo lamentável.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s